Bem-vindo ao site Videohisteroscopia.

Sangramento Uterino Anormal

É a mais freqüente indicação de histeroscopia. Aproximadamente 15-20% das mulheres saudáveis apresentam alguma forma de sangramento anormal, sendo mais freqüente na pré-menopausa.


Embora a ultra-sonografia transvaginal seja um método de screening útil, é insuficiente para estabelecer o diagnóstico, que na maioria das vezes requer avaliação histológica de tecido endometrial.


A histeroscopia é o método de escolha para avaliação da cavidade uterina na presença de sangramento anormal.


A histeroscopia com biópsia deve ser realizada nas pacientes com sangramento anormal acima de 40 anos, nas mulheres com risco aumentado para câncer endometrial e nas mais jovens, se o sangramento não responder ao tratamento medicamentoso.


Nas pacientes na pós-menopausa com sangramento uterino, a cavidade uterina deve ser sempre investigada para afastar o diagnóstico de neoplasia maligna.

 

A ablação endometrial é um procedimento cirúrgico histeroscópico indicado para tratamento do sangramento anormal. Consiste na remoção ou destruição do endométrio em toda a sua espessura e extensão, poupando apenas o epitélio da região ístmica, para evitar a formação de sinéquias.



A ablação endometrial está indicada:
- No tratamento dos sangramentos anormais resistentes à terapia farmacológica, na ausência de lesões cancerosas ou pré-cancerosas do endométrio;
- No tratamento da hiperplasia endometrial recidivante (30%) ou resistente ao tratamento clínico (12-53%) e sem atipias citológicas;
- No tratamento da hiperplasia endometrial sem atipias citológicas, como tratamento de primeira escolha (Brun JL, 2006);
- Para pacientes com alto risco cirúrgico ou que não querem se submeter à histerectomia;
- No tratamento da síndrome dismenorreica pré-menstrual (Lefler,1989)


A ablação somente será realizada na certeza de exclusão de patologia neoplásica ou pré-neoplásica endometrial.
Está indicada para pacientes que não desejam mais engravidar, naquelas que apresentam efeitos adversos aos medicamentos ou na falha de resposta à medicação.

 

Quando comparada ablação endometrial com medicação de uso oral para tratamento do sangramento, a ablação mostrou ser mais afetiva e aceita pela maioria das pacientes. Embora a histerectomia seja um tratamento definitivo para sangramento uterino anormal, não parece melhorar a qualidade de vida mais do que a ablação endometrial e pode causar sérias complicações, além do maior custo.
(C) 2007 - Videohisteroscopia - Todos os direitos reservados